"É ATRAVÉS DA VIA EMOCIONAL QUE A CRIANÇA APREENDE O MUNDO EXTERIOR, E SE CONSTRÓI ENQUANTO PESSOA"
João dos Santos

segunda-feira

O que são as Dificuldades de Aprendizagem?




As dificuldades de aprendizagem, podem ocorrer ao longo do percurso escolar da criança e ter origem em fatores emocionais, cognitivos e sociais. 

É importante serem diagnosticadas o mais precocemente possível, porque dessa forma permite adequar eficazmente, as estratégias que estimulem o seu desenvolvimento emocional ou cognitivo, de forma a minimizar as suas limitações.

É necessário que o diagnóstico seja realizado por um profissional qualificado (médicos e psicólogos), para identificar a causa que está na origem dessas dificuldades de aprendizagem. A psicologia é fundamental porque permite percepcionar o mundo interno da criança e compreender quais as suas necessidades específicas.

A observação deve ser realizada, por todos os que acompanham a criança nas suas aprendizagens e perceber se as dificuldades que apresenta são passageiras ou se persistem.

Podem ocorrer dois tipos de dificuldades no processo de aprendizagem:

1- As dificuldades de aprendizagem (learning dificulties), que surgem na altura em que a aprendizagem está a ser efectivada, onde a criança evidência algumas dificuldades, mas que são ultrapassáveis com apoio e intervenção adequada. Assim, podem existir dificuldades ocasionais, em distinguir por exemplo, a direita da esquerda, trocar letras simétricas, dar erros em palavras com grafia ou fonologia similar, na velocidade ou compreensão da leitura, por razões socioculturais ou nos casos em que a criança apresenta um deficit cognitivo que seja explicativo dessas mesmas dificuldades. 

2- As dificuldades de aprendizagem específicas (learning disabilities) onde a causa é sempre neurológica e estas dificuldades persistem durante toda a vida, existem é estratégias para lidar com as mesmas. Estas dificuldades de aprendizagem interferem significativamente no seu rendimento escolar porque exigem capacidades de leitura, escrita ou matemática, são intrínsecos ao indivíduo, presume-se que é devido à disfunção do Sistema Nervoso Central. As crianças têm uma inteligência normal ou superior e não apresentam problemas emocionais ou sociais e não pode ser explicada por um ensino deficiente.
As dificuldades de aprendizagem Especificas são diagnosticadas quando o desempenho da criança em testes de leitura, escrita ou cálculo, sendo específicas nestas tarefas, estão substancialmente abaixo do esperado para a sua idade, nível de escolarização e de inteligência.

Não se pode diagnosticar sem a criança iniciar a aprendizagem da leitura e não apresentam todas as mesmas dificuldades, podem evidenciar-se quatro perturbações - Dislexia, Disgrafia, Discalculia e Disortografia.

Dislexia é uma perturbação da precisão ou fluência da leitura de palavras e uma fraca competência ortográfica, que se manifesta na dificuldade em adquirir o seu mecanismo da aprendizagem da leitura e resulta de um défice na componente fonológica da linguagem.

Disgrafia é uma perturbação do tipo funcional, que afecta a qualidade da escrita, relativamente à grafia ou ao traçado, sendo responsável por uma caligrafia deficiente, com letras ilegíveis.

Discalculia é uma dificuldade nas operações matemáticas básicas, tais como, quantificação, numeração e cálculo aritmético manifesta-se sobretudo em crianças, é de carácter desenvolvimental e não resulta de uma lesão cerebral.

Disortografia é uma perturbação que afecta as aptidões da escrita, onde existem défices na capacidade da criança para organizar as ideias no texto, erros na escrita feitos de forma sistemática e recorrente. 

Existem algumas características que as crianças com dificuldades de aprendizagem específicas apresentam, tais como, ;
  • défice de atenção, 
  • dificuldades de orientação,
  •  hiperactividade, 
  • labilidade emocional, 
  • problemas psicomotores,
  •  impulsividade e 
  • dificuldades na fala, audição, memória/raciocínio.     
Um diagnóstico precoce, por um técnico especializado, como o psicólogo, pode ajudar o seu filho a desenvolver estratégias adequadas para promover as suas competências minimizando desta forma o impacto destas limitações no seu desenvolvimento e consequentemente na sua vida futura. 


Por Dra. Maria Carvalho Pereira, Psicologa Infantil e Educacional

Sem comentários:

Enviar um comentário