"É ATRAVÉS DA VIA EMOCIONAL QUE A CRIANÇA APREENDE O MUNDO EXTERIOR, E SE CONSTRÓI ENQUANTO PESSOA"
João dos Santos

quinta-feira, abril 14, 2022

Psigestões

PSIGESTÕES

O CRESCER vem apresentar uma nova rubrica, Psigestões. Esta pretende acompanhá-lo a si, à sua família, aos seus filhos, nos diversos desafios da vida e do dia-a-dia, com algumas sugestões que podem acompanhá-lo, suportá-lo, ser uma primeira porta para esclarecer e tranquilizar dúvidas ou incertezas ou para, simplesmente, criar um momento para si, quer seja criança, jovem ou adulto.

As nossas sugestões de Abril:

Para os mais novosFilipe Feliz (uma história para aprenderes o que te faz feliz) de Rita Castanheira Alves. Esta é uma história simples que pode ajudar as crianças a reconhecerem a felicidade dentro deles, quais as sensações corporais que esta emoção suscita, o que as faz pensar e fazer. Acreditamos que a literacia emocional é uma das principais ferramentas que podemos dar às crianças, pois quando sabemos reconhecer as nossas emoções, a aprendizagem da regulação emocional fica muito mais fácil.


Para os mais crescidos Somos (mesmo) uma merda a crescer de Filipa Beleza. Um livro que ilustra algumas das angústias de crescer e da conquista de autonomia ao tornar-se adulto nos dias de hoje, falando sobre amor, ansiedade, estilos de vida, trabalho, redes sociais. Uma leitura leve que pode fazer o leitor sentir-se menos sozinho no seu caminho de evoluções e conquistas.


Para toda a famíliaEu vou ser de André Letria e José Jorge Letria. Um conjunto de frases e desenhos coloridos que podem colocar todos os membros da família, a pensar, imaginar, experimentar em conjunto, sobre aquilo que querem ser quando “forem grandes”, permitindo a miúdos e graúdos poderem falar sobre os seus sonhos e desejos e dessa forma, criar um possível momento de conexão e partilha no seio familiar.



Dr.ª Joana Teixeira
Psicóloga Clínica
Cédula Profissional nº 21107

terça-feira, setembro 07, 2021

Setembro: O Regresso à Rotina


Chegou Setembro... o mês de (Re)Começar!


Setembro é o mês de regressar e recomeçar. Para algumas crianças e jovens o regresso às aulas significa expectativa e rever colegas e amigos, para outros voltar à escola pode envolver sofrimento. 

Depois das férias grandes, um período marcado, sobretudo, pela descontração de crianças, jovens e adultos, pode regressar com maior intensidade o medo, a preocupação, o receio e emoções como a tristeza, a raiva e a zanga. Tudo isto pode aumentar com o aproximar do regresso à escola, em que as regras, obrigações e relações com professores e pares vão retomar. 

Apesar de ser natural um maior desconforto associado ao regresso às aulas, comparativamente ao período de férias, podem existir alguns sinais de que este regresso possa estar associado a sofrimento psicológico.

Deixamos alguns sinais aos quais pais, cuidadores e familiares devem estar atentos:

Mudanças súbitas ou acentuadas de comportamento;
Diminuição do desempenho escolar;
Dificuldades de concentração;
Comportamentos de risco;
Falta de motivação e energia, cansaço frequente;
Isolamento;
Sentimentos como a tristeza e o medo frequentes e prolongados no tempo;
Dificuldades no sono.
 

O regresso às aulas pode ajudar a aumentar todos estes sinais de alerta, que podem significar que o/a seu/sua filho/a precisa de ajuda e pode beneficiar de apoio psicológico. No Crescer estamos disponíveis para o ouvir e ajudar a si e ao/à seu/sua filho/a.


Dr.ª Joana Teixeira
Psicóloga Clínica
Cédula Profissional nº 21107

sábado, fevereiro 20, 2021

Sintomas e Sinais de Alerta da Depressão

A Depressão

                                   - Sintomas e Sinais de Alerta -

A perturbação depressiva pode afetar pessoas de todas as idades, desde crianças e adolescentes, até idosos.

Pensamentos de auto-desvalorização, auto-culpabilização ou rejeição e abandono ocorrem frequentemente, sendo que, os sintomas comportamentais são especialmente visíveis através da apatia e do isolamento social.

Uma pessoa deprimida caracteriza-se fundamentalmente, pela incapacidade perante a vida em geral ou, especificamente, no seu trabalho, ambiente social e familiar. Esta patologia afeta a forma como a pessoa se vê e como vê os outros, podendo interferir também nos hábitos de alimentação e no sono.

Os sinais a que deve prestar atenção:




Em fases mais avançadas, pode ainda acontecer que a pessoa não consiga efetuar as suas atividades quotidianas, manifestando sentimentos de desesperança e pensamentos sobre suicídio.

A depressão não se trata de algo que seja possível ignorar, pelo contrário! É algo a que deve dedicar atenção pois não passará com o tempo, é necessário e essencial procurar ajuda.


Dr.ª Sara Loios

Psicóloga Clínica
Cédula Profissional nº 20837

sábado, janeiro 16, 2021

As Diferenças entre Tristeza e Depressão

 O que distingue a Tristeza da Depressão...

Cada vez mais importa sensibilizar e consciencializar as pessoas para a distinção entre estados de tristeza e depressão efetiva. Em casos extremos, a diferença é profunda e bastante nítida, no entanto, tal desigualdade, torna-se também menos clara com bastante frequência, já que a depressão e a tristeza coexistem e interligam-se.

A diferença reside essencialmente nas causas e na duração dessa mesma tristeza. “normal” ficarmos tristes com o falecimento de alguém que nos é próximo, contudo, deixa de ser “normal” se tais sintomas se prolongarem por longos períodos de tempo, interferindo significativamente nos vários domínios da vida da pessoa.

A tristeza deve então ser pensada como uma resposta universal perante situações de perda, derrota, desapontamento e outras contrariedades. A tristeza poderá caracterizar-se por uma dor saudável, onde não existe desesperança e sendo causada por uma circunstância externa. 

Contudo, no caso da depressão, mesmo que as circunstâncias externas sejam idênticas, o sentimento de dor parece que se estende a circunstâncias que vão para além das externas. Neste caso, embora não se possam alterar as condições externas, é possível modificar componentes internas. Ou seja, cabe- nos a nós, recorrendo a ajuda especializada, tentar compreender o ciclo depressivo, e só assim se torna possível quebrá-lo.

Por sua vez, a depressão inclui diminuição da autoestima e, por vezes, ideação ou risco de suicídio. É uma perturbação do humor que afeta o funcionamento da pessoa em diversos domínios, nomeadamente, a capacidade de pensar, de estabelecer relações interpessoais, de trabalhar, entre outros aspetos.

Todas as pessoas em alguma ocasião vivenciam sentimentos de tristeza, mas normalmente esses sentimentos passam após alguns dias, situação que não acontece quando a pessoa desenvolve uma perturbação do humor.

De uma forma geral, a depressão deve ser entendida como uma perturbação psicológica que vai muito para além de um estado temporário de humor. É um conjunto de experiências que têm impacto ao nível do humor, funcionamento físico, capacidade de pensar e comportamentos. 

Se precisar de ajuda, contacte-nos! 
Dr.ª Sara Loios
Psicóloga Clínica
Cédula Profissional nº 20837